Para quem se mete a escrever

Cesar Augusto Cavazzola Junior

Como disse Eugène Ionesco: “Devemos escrever para nós mesmos. É assim que poderemos chegar aos outros.”

Não são raros os sujeitos que se sentem pouco integrados com o mundo. Vivem como caramujos, isolados numa ilha em torno de si mesmo. Muitos sentem que a maior parte dos seus projetos fracassam quando envolvem outras pessoas, então escrever para que possam colocar sobre os seus ombros os motivos o andamento de suas vidas. Sim, muitos são sujeitos ilhados em torno de si.

Escrever é um ato estritamente individual. Por isso, você não pode delegar para a sua secretária a tarefa. Terceirização não serve para tudo. Se pensar nisso, procure fazer outra coisa da sua vida.

Então escrever é um trabalho que só depende do escritor, e que pode ajudá-lo a colocar para fora todos os meus anseios e temores. Tudo acaba se tornando uma desculpa para escrever. Quando você se torna escritor, as pessoas até compreendem e dão plena liberdade para realizar suas tarefas.

Cada vez que você escrever alguma coisa é como se estivesse de frente para uma plateia e fosse tirando uma peça de roupa por vez. Simplesmente não dá para se meter a escrever sem mostrar um pouco daquilo que você é.

Então, caso decida seguir esse caminho, esteja ciente de que, de uma forma ou outra, você vai expor um pouco de si. Se souber lidar bem com isso, comece o trabalho de uma vez.

Quem começa a escrever muitas vezes peca por querer estar devidamente preparado. Muitos param no meio do caminho por se sentirem ainda inaptos para a tarefa. Trata-se de um equívoco comum, ignorando um sem-número de exemplos na nossa sociedade: é preciso pensar, por exemplo, num atleta olímpico, em quantas horas de treino são necessárias até o dia da prova.

Portanto, para que um livro seja finalizado, são necessárias muitas horas de trabalho, sem contar todo o treino que antecedeu a execução da obra: leituras, exercícios de imitação, muitas histórias ruins – outras inacabadas.

Não há de se negar que, dependendo do conteúdo a ser trabalhado, exigem-se algumas qualificações específicas para tal. Imagine se dispor a escrever um tratado de matemática se não tem nem as noções básicas do assunto? Ficaria bem difícil.

Qualquer trabalho que você vai realizar na sua vida depende de certa preparação, mas o pecado que se comete está relacionado com a “medida do quanto”. Muitos querem começar a escrever apenas quando dominar análise sintática… uma pena! A decisão de aprender ou não será sempre uma questão de atitude. Conforme as palavras de Erasmo de Rotterdam, “o desejo de escrever desenvolve-se escrevendo”.

Assim como a leitura, cada vez se lê mais e se escreve mais. As pessoas estão conectadas à internet e interagem pelas redes sociais: muitas passam os dias fazendo isso. Então, elas estão lendo e escrevendo o tempo todo. O problema dessa afirmação não reside na quantidade do que se lê ou escreve, mas na qualidade. O esforço para realizar um trabalho produtivo é pouco. No entanto, compensar com quantidade a falta de qualidade trata-se de um problema da sociedade atual.

Escrever é exprimir-se por meios de caracteres ou sinais gráficos. Não há mistério: é coordenar esse processo para uma finalidade produtiva. O hábito vai solidificando e aprimorando a capacidade de escrever.

Ser escritor deve ser algo visto mais como uma vocação do que como uma profissão. São coisas completamente diferentes. O trabalho visa que você se dedique algumas horas do seu dia para desenvolver alguma atividade produtiva e que seja capaz de auxiliá-lo financeiramente.  A vocação, por outro lado, é algo que você se sente chamado a fazer, capaz de transcender a si mesmo. É um impulso incapaz de ser freado. Você sente que deve fazer, que só você pode fazer e que se morrer fazendo aquilo vai em paz, ciente de que cumpriu o seu papel no mundo existencial.

Escrever pode ser uma vontade sua, apenas, e não uma vocação. Não há problema nenhum nisso. Cada pessoa sabe dos seus propósitos e suas motivações. Como disse Eugène Ionesco: “Devemos escrever para nós mesmos. É assim que poderemos chegar aos outros.”

Leia também...

Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

L’art est l’imitation de la nature

Au lever des temps, les sages répétaient : “L’art est l’imitation de la nature.” Platon, dans sa majestueuse sagesse, proclamait cette vérité éternelle, tissant le

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 7

Árvore: família, árvore genealógica Cesárea: imperial (os imperadores da Alemanha, que se chamavam de Césares). No ocidente da Europa otitulo de imperador romano, extinto com

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 2

Memórias gloriosas: Sinédoque: tipo especial de metonímia baseada na relação quantitativa entre o significado original da palavra us. e o conteúdo ou referente mentado; os

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 1

As armas e os barões: “Hendiadis”: uma forma latinizada da frase grega ἓν διὰ δυοῖν ( hèn dià duoîn ) ‘um a dois’. Figura (de

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Linguagem e realidade

Cesar Augusto Cavazzola Junior A harmonia é um prazer aos sentidos. Sobre a pele, o veludo ou a faca de corte? No paladar, o saboroso

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Relativismo Moral e Linguagem

Hoje em dia, muitas pessoas promovem a causa comunista sem perceber, usando relativismo moral e manipulação da linguagem. As ideias são adaptadas para manter a

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 5

Fúria: voz arrebatadora Peito acende: incita o ânimo Ao gesto: ao rosto. Faz o sangue refluir às faces, avermelhando-as Que: para que Agreste: campestre Avena:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

A oração e seus elementos

Cesar Augusto Cavazzola Junior Imagine-se sendo acordado no meio da noite pelo seu vizinho, aos berros: – Fogo! Ou mesmo seu professor interrompendo a conversa

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Café com a morte

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu:     Morte, minha amiga           Companhia a confessar           A história de uma vida           Sem ousar me lastimar. Morte:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O mágico

De Cesar Augusto Cavazzola Junior No calor abrasador da capital, em pleno pico de verão, formava-se um tumulto bem em frente à Praça da Catedral

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 3

Cessem (de ser cantadas) as navegações: Figura de linguagem: Zeugma. Subentende-se o verbo do segundo membro do período. Troiano: referência a Eneias. Figura de linguagem:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Educação Liberal 

Palestra de Olavo de Carvalho Rio de Janeiro, 18 de Outubro de 2001 Transcrição: Fernando Antônio de Araújo Carneiro Revisão: Patrícia Carlos de Andrade Agradeço

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Os desafios de escrever um livro

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu retomei a escrita deste trabalho (foto), que leva o título provisório de “Como nos tornamos homens”. Comecei a compô-lo ainda

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Ressignificando símbolos

Cesar Augusto Cavazzola Junior O homem é um ser que está intimamente ligado com símbolos e aquilo que eles representam. A sociedade atual, diante do

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Quanto vale um abraço?

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu gosto do sistema capitalista. O capitalismo permite que nosso trabalho se especialize. A long, long time ago, quando alguém produzia

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O “projeto moderno”

Cesar Augusto Cavazzola Junior O século XV é marco da Revolução Comercial, período marcado pelas grandes navegações, que uniram o “velho” e o “novo” mundo,

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Somos realmente modernos?

Cesar Augusto Cavazzola Junior O que deveria estar facilitando as nossas vidas pode estar, no fundo, nos distraindo Em estudo divulgado pela revista Science, cujo

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Que é o direito?

Que é o direito? Olavo de Carvalho Seminário de Filosofia, 22 de setembro de 1998. Se o poder, como se viu na Primeira Aula, é possibilidade

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Para quem deseja escrever

A seguir, vou postar uma lista de livros organizada por João Felipe, publicada no site “Ofício Literário”, sobre técnica literária e escrita. A lista está

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O Latim não é uma língua

A seguir, disponibilizo uma breve transcrição da palestra do prof. Rafael Falcón “O Latim não é uma língua”, proferida no Congresso de Educação Católica 2018.

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Latim, afinal, para quê?

*Cesar Augusto Cavazzola Junior Com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou

Ler mais »