A oração e seus elementos

Cesar Augusto Cavazzola Junior

Imagine-se sendo acordado no meio da noite pelo seu vizinho, aos berros:

– Fogo!

Ou mesmo seu professor interrompendo a conversa que você está tendo com seus colegas:

– Silêncio!

Ou, apena para citar outro exemplo, a sua mãe em tom desafiador:

– Vá para o seu quarto e não saia antes de eu manda-lo!

As frases acima exprimem sentido completo. É claro que o aluno precisa se imaginar numa situação específica, num contexto, para que a frase possa adquirir sentido completo.

Assim, para que uma frase tenha sentido completo, não se faz relevante o número de palavras. Como bem dizia Graciliano Ramos: “A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer.”

Entretanto, não é possível afirmar que qualquer frase com sentido completo é uma oração

A oração é todo enunciado que contenha verbo:

– Eu vou estudar hoje.

– Serei aprovado no vestibular.

– Minha mãe trabalha na farmácia.

– O pássaro voa no céu.

– Leciono no Teorema.

Agora, observe a frase a seguir:

“Na memória, muitas lembranças.”

Por não conter explicitamente um verbo, é possível dizer, portanto, que não se trata de uma oração?

Não nesse caso, pois há uma forma verbal oculta. Trata-se de um recurso possível na língua portuguesa.

Poderia dizer para um amigo:

– Corra!

O enunciado “corra!” é frase ou oração? Conforme estudado, pode ser classificado tanto como um quanto pelo outro. Mesmo assim, pode representar um período?

Antes de responder a pergunta, será preciso saber o que vem a ser um período…

Período é todo enunciado com sentido completo e com oração. Se disser: “fuja!”, será preciso imaginar a cena para que a palavra seja considerada uma frase. No período, isso não precisa acontecer:

– Minha mãe quer que eu tire uns dias de férias.

Nessa frase, é desnecessário que se componha de elementos imaginários para que adquira sentido total.

Retomamos, então, a análise para o estudo da oração

Verbo é toda palavra que expressa uma ação: desenhar, estudar, pintar, morrer, dormir, sentar, etc.

Numa oração podem ser encontrados seis elementos[1]:

1º) o sujeito;

2º) o vocativo;

3º) o adjunto adnominal restritivo;

4º) o objeto indireto;

5º) o adjunto adverbial;

6º) o objeto indireto.

Cada qual exerce uma função na oração. No latim, chama-se “caso”, que se distinguem pela terminação que é empregada.

  1. O sujeito

O sujeito é a pessoa ou a coisa que praticou a ação verbal.

Na oração “Eu saí de casa”, quem é o sujeito da oração?

É aquele que praticou a ação de “sair”. Neste caso, “eu”:

Frase: Eu saí de casa.

Pergunta: Quem saiu de casa?

Resposta: Eu.

Veja outro exemplo a seguir:

Frase: Carlos leciona matemática.

Pergunta: Quem leciona matemática?

Resposta: Carlos.

Exercícios:

a) Responda as perguntas abaixo:

O que é frase?

O que é período?

O que é oração?

Para ser considerada uma oração, a frase precisa ter verbo explícito? Cite três exemplos.

b) Aponte os sujeitos das frases a seguir:

  • Minha mãe é bonita.
  • Gosto de salada.
  • Vamos sair hoje.
  • A chave do conhecimento é a filosofia.
  • Essencial é o estudo da língua portuguesa.
  • Têm muitos amigos.
  • Fugi.
  • Morreram.
  • O churrasqueiro é meu pai.
  • Aquela é a minha namorada.
  • Sofia estuda com Maria.
  • Sofia e Maria estudam com Lúcia.

2) Vocativo

            Acompanhe os exemplos a seguir:

Maria, você vai subir?

Você vai subir, Maria?

Você, Maria, vai subir?

Nessas frases, alguém está sendo chamado: Maria. Por isso, o vocativo vem do verbo latino “vocare”, que significa “chamado”.

O vocativo, conforme visto acima, poderá vir no início, no meio ou no final da oração, sempre acompanhado de vírgulas.

Observe a frase a seguir:

– Seu primo Maurício é de Passo Fundo?

Responda: qual é o vocativo dessa frase?

Na verdade, não há. A existência de vírgulas é o que determina a existência do vocativo:

– Seu primo, Maurício, é de Passo Fundo?

Na oração acima, observa-se que “Maurício” vem acompanhado de vírgulas. É o vocativo, pois.

Exercícios

Reescreva as frases, alterando a ordem do vocativo:

  • Meu filho, venha comer.
  • Até tu, Brutus, meu filho.
  • Saia daqui, Paulo.
  • Senhor, tenha piedade de mim.
  • Não se aproxime, meu caro.
  • Por sua causa, João, ela se foi.

3. Genitivo

A casa dos meus pais é bonita.

A bicicleta de Pedro é azul.

O livro do João está desatualizado.

Na maioria dos casos, o genitivo indica posse, embora sempre venha acompanhado da preposição “de”. Trata-se de um complemento que restringe um nome.

Se dissermos “A casa é bonita”, podemos estar indicando qualquer casa. Portanto, o genitivo é o adjunto adnominal restritivo de uma oração.

4) Dativo

Observe as frases a seguir:

O lenhador corta a árvore.

O pássaro morreu.

A primeira frase exigiu complemento, diferentemente da segunda. Observe novamente:

O lenhador corta.

Instintivamente, é possível perceber que falta algum complemento na frase, como se não estivesse soando bem. É como quando um amigo entra em contato contigo e diz:

– Você não acredita no que aconteceu…

Paira uma dúvida no ar. É então que você pergunta:

– O que aconteceu?

É o mesmo com a frase “o lenhador corta”.

– Corta o quê?

Por isso, não é difícil de se notar que alguns verbos precisam de complemento, enquanto outros não:

– O pássaro morreu.

Está bem. Talvez você queira saber detalhes, o motivo, a data, o local. No entanto, isso apenas se faz necessário para criar o cenário completo, e não porque o verbo “morrer” exige complemento.

Os verbos, portanto, dividem-se em dois grupos: os verbos de predicação completa e os verbos de predicação incompleta.

São exemplos de verbos de predicação completa: voar, morrer, andar, dormir. São orações constituídas apenas de dois termos: sujeito e verbo. Chama-se verbos intransitivos, pois a ação começa e termina no agente, isto é, sem objeto.

PREDICAÇÃO COMPLETA = VERBO INTRANSITIVO

Analise o exemplo a seguir. Um amigo entra em contato contigo e diz:

– Minha mãe ganhou.

Intuitivamente, parece-lhe estar faltando algo? Certamente que sim. Por isso, o verbo “ganhar” é de predicação incompleta. É, portanto, transitivo, isto é, um verbo cuja ação começa no agente e termina no objeto:

– Minha mãe ganhou uma rosa.

Existem quatro espécies de verbos de predicação incompleta. Serão estudados a seguir.

  1. Verbos cuja ação passa diretamente para a pessoa ou coisa sobre a qual recai

– Eu bebi água.

“Beber” é um verbo que não exige preposição. É um verbo transitivo direto, cuja ação sobre a qual recai a pessoa ou a coisa chama-se objeto direto.

Transitivo indireto

É possível escrever “eu gosto a minha mãe”? É claro que não. O verbo “gostar” exige a preposição “de”.

– Eu gosto da (de+a) minha mãe.

Diz-se, portanto, que “gostar” é um verbo que se liga indiretamente ao complemento, isto é, por meio de preposição.

São chamados, assim, de verbos transitivos indiretos, cujo complemento denomina-se objeto indireto.

Resumindo:

TRANSITIVO DIRETO à OBJETO DIRETO (sem preposição)

TRANSITIVO INDIRETO à OBJETO INDIRETO (preposição)

Transitivo direto-indireto

Acompanhe as frases a seguir:

A: Cesar, eu levei.

B: Levou o quê?

A: Levei uma rosa.

B: Levou uma rosa para quem?

A: Para minha avó.

A partir do verbo “velar”, foi necessário se fazer outras perguntas até adquirir sentido completo. Foram, para isso, exigidos dois complementos: a) um para especificar a coisa dada e b) outra para determinar a quem a coisa foi dada. São verbos transitivos direto-indiretos.

Verbo de ligação

– Carlos é legal.

Ser “legal” é uma qualidade do Carlos, e não uma ação, unidos por um verbo de ligação, cujo complemento chama-se predicado (jamais “objeto”).

***

As formas oblíquas “o” e “lhe” da 3ª pessoa não podem ser utilizadas de qualquer forma:

– Eu o obedeço.

“Obedecer” é transitivo indireto, portanto deve ser escrito:

– Eu lhe obedeço.

Assim, o transitivo indireto pede a forma “lhe”, enquanto o transitivo direto, “o”.

– Eu o vi.

***

5. Ablativo

O ablativo é o adjunto adverbial, ou seja, é um complemento do verbo. Diferentemente do objeto direto, do objeto indireto e predicativo, que são complementos necessários, os adjuntos adverbiais são inseridos para a inteira compreensão do verbo:

– Vera morreu.

A frase é de sentido completo, pois “morrer” é verbo intransitivo. No entanto, faz-se necessário a inclusão da circunstância para especificar:

Vera morreu ontem. (tempo)

Vera morreu de câncer. (modo)

Vera morreu em Porto Alegre. (lugar)

6. Acusativo

O acusativo é o objeto direto, já estudado anteriormente.


[1] O estudo a seguir terá como base: ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Latina. 29. Ed. São Paulo: Ed. Saraiva, 2000.

Leia também...

Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

L’art est l’imitation de la nature

Au lever des temps, les sages répétaient : “L’art est l’imitation de la nature.” Platon, dans sa majestueuse sagesse, proclamait cette vérité éternelle, tissant le

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 7

Árvore: família, árvore genealógica Cesárea: imperial (os imperadores da Alemanha, que se chamavam de Césares). No ocidente da Europa otitulo de imperador romano, extinto com

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 2

Memórias gloriosas: Sinédoque: tipo especial de metonímia baseada na relação quantitativa entre o significado original da palavra us. e o conteúdo ou referente mentado; os

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 1

As armas e os barões: “Hendiadis”: uma forma latinizada da frase grega ἓν διὰ δυοῖν ( hèn dià duoîn ) ‘um a dois’. Figura (de

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Linguagem e realidade

Cesar Augusto Cavazzola Junior A harmonia é um prazer aos sentidos. Sobre a pele, o veludo ou a faca de corte? No paladar, o saboroso

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Relativismo Moral e Linguagem

Hoje em dia, muitas pessoas promovem a causa comunista sem perceber, usando relativismo moral e manipulação da linguagem. As ideias são adaptadas para manter a

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 5

Fúria: voz arrebatadora Peito acende: incita o ânimo Ao gesto: ao rosto. Faz o sangue refluir às faces, avermelhando-as Que: para que Agreste: campestre Avena:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Café com a morte

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu:     Morte, minha amiga           Companhia a confessar           A história de uma vida           Sem ousar me lastimar. Morte:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O mágico

De Cesar Augusto Cavazzola Junior No calor abrasador da capital, em pleno pico de verão, formava-se um tumulto bem em frente à Praça da Catedral

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Para quem se mete a escrever

Cesar Augusto Cavazzola Junior Como disse Eugène Ionesco: “Devemos escrever para nós mesmos. É assim que poderemos chegar aos outros.” Não são raros os sujeitos

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 3

Cessem (de ser cantadas) as navegações: Figura de linguagem: Zeugma. Subentende-se o verbo do segundo membro do período. Troiano: referência a Eneias. Figura de linguagem:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Educação Liberal 

Palestra de Olavo de Carvalho Rio de Janeiro, 18 de Outubro de 2001 Transcrição: Fernando Antônio de Araújo Carneiro Revisão: Patrícia Carlos de Andrade Agradeço

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Os desafios de escrever um livro

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu retomei a escrita deste trabalho (foto), que leva o título provisório de “Como nos tornamos homens”. Comecei a compô-lo ainda

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Ressignificando símbolos

Cesar Augusto Cavazzola Junior O homem é um ser que está intimamente ligado com símbolos e aquilo que eles representam. A sociedade atual, diante do

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Quanto vale um abraço?

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu gosto do sistema capitalista. O capitalismo permite que nosso trabalho se especialize. A long, long time ago, quando alguém produzia

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O “projeto moderno”

Cesar Augusto Cavazzola Junior O século XV é marco da Revolução Comercial, período marcado pelas grandes navegações, que uniram o “velho” e o “novo” mundo,

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Somos realmente modernos?

Cesar Augusto Cavazzola Junior O que deveria estar facilitando as nossas vidas pode estar, no fundo, nos distraindo Em estudo divulgado pela revista Science, cujo

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Que é o direito?

Que é o direito? Olavo de Carvalho Seminário de Filosofia, 22 de setembro de 1998. Se o poder, como se viu na Primeira Aula, é possibilidade

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Para quem deseja escrever

A seguir, vou postar uma lista de livros organizada por João Felipe, publicada no site “Ofício Literário”, sobre técnica literária e escrita. A lista está

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O Latim não é uma língua

A seguir, disponibilizo uma breve transcrição da palestra do prof. Rafael Falcón “O Latim não é uma língua”, proferida no Congresso de Educação Católica 2018.

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Latim, afinal, para quê?

*Cesar Augusto Cavazzola Junior Com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou

Ler mais »