Ecossistemas de Força de Trabalho: Uma nova abordagem estratégica para o futuro do trabalho

Ecossistemas de Força de Trabalho: Uma nova abordagem estratégica para o futuro do trabalho*

ELIZABETH J. ALTMAN, JEFF SCHWARTZ, DAVID KIRON, ROBIN JONES E DIANA KEARNS-MANOLATOS

MIT Sloan Management Review, de 13 de abril de 2021.

Resumo elaborado por Cesar Augusto Cavazzola Junior[1]

*Trabalho apresentado no Grupo de Estudos de Redes Contratuais da Escola Superior de Advocacia do Rio Grande do Sul, no primeiro semestre de 2023.

  • A força de trabalho depende cada vez mais de trabalhadores externos. Recente pesquisa global do MIT Sloan Management Review em colaboração e patrocinada pela Deloitte com executivos afirma que a grande maioria — cerca de 87% — dos entrevistados inclui alguns trabalhadores externos ao considerar a composição de sua força de trabalho. A pesquisa foi realizada com 5.118 profissionais, 27 entrevistas com executivos e uma revisão da literatura sobre capital humano e gestão de ecossistemas.

  • A maioria das práticas, sistemas e processos relacionados à força de trabalho se concentram nos funcionários, não nos trabalhadores externos. Consequentemente, as organizações geralmente carecem de uma abordagem integrada para gerenciar uma força de trabalho na qual os trabalhadores externos desempenham um papel importante.

  • A busca por uma abordagem integrada para gerenciar estrategicamente um grupo diversificado de trabalhadores internos e externos levou alguns executivos com visão de futuro à ideia de um ecossistema de força de trabalho, definida como uma estrutura focada na criação de valor para uma organização que consiste em complementaridades e interdependências. Essa estrutura abrange atores, dentro e fora da organização, trabalhando para atingir objetivos individuais e coletivos.

  • As forças de trabalho de hoje compreendem cada vez mais uma variedade de jogadores, incluindo não apenas funcionários, mas também contratados, trabalhadores temporários, provedores de serviços, desenvolvedores de aplicativos externos, colaboradores de crowdsourcing e muito mais.

  • Os contribuidores não se limitam a freelancers e trabalhadores temporários; eles também costumam incluir organizações externas. A Amazon, por exemplo, tem mais de 1 milhão de funcionários, mas mais de 2 milhões de empresários independentes oferecem mercadorias no Amazon Marketplace. Esses vendedores, embora independentes, complementam os negócios da Amazon no sentido de agregar valor ao Amazon Marketplace.

Além de uma visão da força de trabalho baseada no funcionário

  • Os líderes estão começando a pensar de forma mais ampla sobre quem está em sua força de trabalho. Muitos esperam que mais trabalhadores externos façam parte de sua força de trabalho no futuro.

  • Os autores definem um ecossistema de força de trabalho como uma estrutura focada na criação de valor para uma organização que consiste em complementaridades e interdependências. Essa estrutura engloba atores, dentro e fora da organização, trabalhando para atingir objetivos individuais e coletivos. Por complementaridades, querem dizer que alguns membros do sistema (trabalhadores ou organizações) trabalham de forma independente, mas juntos oferecem valor para seus clientes mútuos. Por interdependências, querem dizer que alguns membros dependem uns dos outros para seu sucesso (ou fracasso) compartilhado; eles ganham ou perdem juntos.

  • Essa abordagem de ecossistema é um afastamento significativo da visão tradicional da força de trabalho, que prevê funcionários individuais realizando trabalhos ao longo de carreiras lineares para criar valor para sua organização.

  • Onde a perspectiva tradicional da força de trabalho estabelece uma estrutura de recursos humanos para gerenciar funcionários, repleta de sistemas, processos e supervisão, esta nova abordagem trata o próprio ecossistema da força de trabalho como uma estrutura. Gerenciar funcionários e gerenciar uma estrutura de ecossistema de força de trabalho são processos fundamentalmente diferentes.

  • Um ecossistema de força de trabalho inclui funcionários e partes externas que não trabalham diretamente para uma organização, mas podem ser essenciais para seu sucesso. Os membros do ecossistema — sejam indivíduos, empresas ou tecnologias — podem ter relacionamentos interdependentes e/ou complementares. Juntos, eles formam uma comunidade diversificada que uma organização constrói, nutre, cresce e alavanca para atingir seus objetivos.

  • Com uma abordagem de ecossistema de força de trabalho, as organizações também podem compartilhar funcionários ou outros trabalhadores com outros membros do ecossistema para preencher lacunas de curto prazo.

  • Os ecossistemas da força de trabalho reconhecem que os trabalhadores externos estão fazendo mais trabalho e mais significativo.

  • Os dados da pesquisa sugerem que um número substancial de entrevistados acredita que suas forças de trabalho estão se movendo nessa direção. Um terço dos entrevistados (33%) espera aumentar sua dependência de trabalhadores externos nos próximos 18 a 24 meses.

  • A participação da força de trabalho no ecossistema está aumentando, mas a preparação está atrasada. Enquanto um número substancial de empresas está aumentando sua dependência de ideias e habilidades de trabalhadores externos e está usando cada vez mais plataformas online para acessar talentos, menos de um terço acredita que está se preparando adequadamente para essas mudanças.

  • Os trabalhadores externos não estão apenas fazendo mais trabalho; eles também estão fazendo um trabalho de maior importância. A força de trabalho contingente geralmente é essencial para a missão principal de uma organização.

  • Um dos entrevistados diz que preencher funções vitais externamente há muito tempo é uma rotina para as startups. Com recursos limitados, uma startup pode não conseguir pagar um CFO em tempo integral, por exemplo, mas pode ter alguém que venha uma vez por semana para atuar como CFO. Hoje em dia as empresas mais estabelecidas também funcionam dessa maneira.

Drivers de ecossistemas de força de trabalho

  • A natureza do trabalho está mudando, as preferências dos trabalhadores estão evoluindo e a tecnologia está transformando a forma como muitas organizações se envolvem e gerenciam suas forças de trabalho.

  • A visão de trabalho mecanicista e orientada por processos, focada na otimização do desempenho do trabalho, deu lugar a uma visão de trabalho baseada em equipe e projeto, focada em velocidade, inovação e relacionamentos. Essas mudanças estão obrigando alguns líderes a tomar novas decisões sobre como orquestrar suas forças de trabalho.

  • A transição para o trabalho baseado em projetos cria novos requisitos e oportunidades para as organizações trazerem talentos externos para compromissos específicos ou usarem mercados internos de talentos que permitem que os funcionários se movam facilmente entre os departamentos para atender às demandas emergentes.

  • Juntas, essas tendências melhoram as condições dos ecossistemas de força de trabalho de várias maneiras: permitem o relaxamento de restrições geográficas para organizações que procuram trabalhadores, permitem que trabalhadores em busca de oportunidades pesquisem além de suas áreas locais e permitem que as organizações correspondam mais facilmente aos projetos.

  • As preferências dos trabalhadores estão mudando. Muitos dos entrevistados observaram que trabalhadores de todas as gerações estão priorizando propósito, flexibilidade e experiências personalizadas em vez de estabilidade e segurança no trabalho. A pesquisa mostra que muitos trabalhadores se consideram “agentes livres” em vez de “funcionários leais”, mesmo quando são funcionários permanentes.

  • A tecnologia é essencial para permitir ecossistemas de força de trabalho (como melhorar os sistemas internos de gerenciamento de talentos e plataformas externas de trabalho) e fornecer ferramentas que aumentam o valor (como por meio de análise de dados, IA ou aprendizado de máquina). A Amazon, por exemplo, tem 200.000 robôs físicos trabalhando entre seus funcionários humanos de depósito. Este também é o caso da NASA.

Características do ecossistema da força de trabalho

  • Os ecossistemas de força de trabalho podem variar consideravelmente de uma organização para outra, mas todos têm várias características em comum: permitem a criação de valor, contam com complementaridades entre os membros do ecossistema e incluem interdependências entre os participantes, de modo que os trabalhadores dependem uns dos outros para seu sucesso ou falha.

  • O objetivo primordial de toda organização é entregar valor aos seus stakeholders. Os ecossistemas de força de trabalho permitem que as organizações criem e capturem valor ao coordenar trabalhadores e colaboradores de todos os tipos; eles constroem comunidades formadas por trabalhadores que interagem com a organização e uns com os outros.

  • No entanto, devido ao escopo e à complexidade de todas essas interações, o gerenciamento desses compromissos costuma ser fragmentado e altamente descentralizado. Uma perspectiva do ecossistema da força de trabalho oferece visibilidade de toda a força de trabalho, aprofundando as perspectivas dos gerentes sobre quem está criando valor para a organização.

  • Também os pesquisadores descobriram que as organizações podem ter mais de um ecossistema de força de trabalho, dependendo de seu tamanho, escala e escopo gerais. Por exemplo, uma divisão voltada para o consumidor pode coordenar um ecossistema enquanto uma divisão focada na empresa gerencia outro.

  • As complementaridades são essenciais para os ecossistemas de força de trabalho porque representam como participantes distintos podem trabalhar de forma independente enquanto, juntos, fornecem valor para clientes mútuos.

  • As entidades dentro de um ecossistema dependem de outras para realizar o trabalho e atingir objetivos compartilhados. Seus sucessos (ou fracassos) dependem de sua capacidade de colaborar de forma eficaz. Essas interdependências são fundamentais para os ecossistemas de força de trabalho.

Desafios e riscos dos ecossistemas de força de trabalho

  • Ecossistemas de força de trabalho trazem desafios, bem como benefícios. Alguns deles são internos a uma organização, como barreiras culturais, enquanto outros são produtos do contexto em que a organização opera, como questões legais e regulatórias. Um terceiro conjunto de questões diz respeito aos efeitos sociais não intencionais, como a necessidade potencial de os governos arcarem com o ônus nos anos futuros, se houver um aumento no número de aposentados que carecem de benefícios de aposentadoria e poupança.

  • Culturas fortes com foco interno, resistência à mudança e comportamentos de silos organizacionais podem bloquear os ecossistemas da força de trabalho.

  • As estruturas legais e regulatórias relacionadas ao trabalho foram aprimoradas ao longo dos anos para proteger os funcionários. O desafio hoje é garantir que essas proteções regulatórias permaneçam em vigor, permitindo o crescimento de novas estratégias de força de trabalho que possam ampliar oportunidades e benefícios. As empresas precisarão superar problemas como tecnologias de RH alinhadas com uma abordagem de ciclo de vida do funcionário, rastreando apenas funcionários internos e restrições geográficas, legais e de privacidade que proíbem o compartilhamento de certos tipos de dados.

  • A adoção de ecossistemas de força de trabalho pode ter consequências não intencionais de justiça social relacionadas à equidade salarial e paridade dentro das organizações e além de seus limites. Por exemplo, trabalhadores temporários podem se tornar mais vulneráveis à exploração se a remuneração não for compatível com a dos funcionários permanentes.

  • Os trabalhadores que não recebem benefícios de aposentadoria nem economizam por conta própria podem sofrer desvantagens financeiras décadas depois. A ausência de benefícios para alguns grupos de trabalhadores pode transferir as responsabilidades da rede de segurança social das empresas para os governos.

Implicações e conclusões dos ecossistemas da força de trabalho

  • Tradicionalmente, a estratégia da força de trabalho segue a estratégia de negócios. Com ecossistemas de força de trabalho, a estratégia de negócios pode seguir a estratégia de força de trabalho.

  • As organizações que estão à frente começam com o processo de planejamento da força de trabalho.

  • A esmagadora maioria dos entrevistados — 91% — concorda ou concorda totalmente que as mudanças futuras na estratégia de negócios de sua organização exigem que ela melhore o acesso a novos recursos, conjuntos de habilidades e competências.

  • Os ecossistemas da força de trabalho levantam a questão de como os líderes podem criar um ambiente de força de trabalho equitativo e inclusivo além das fronteiras internas e externas. Os líderes dos ecossistemas de força de trabalho devem reconhecer e abordar todos os tipos de trabalhadores que contribuem para seus ecossistemas e se envolver com todos eles.

  • Os ecossistemas de força de trabalho, por sua natureza, são estruturas mais abertas e flexíveis, abrangendo uma diversidade de tipos e ambientes de trabalhadores. Isso pode ser bem diferente do contexto legado de uma organização e pode exigir novas práticas de liderança.

  • A adoção de uma abordagem de ecossistema de força de trabalho tem amplas implicações para o design e a governança organizacional.

  • A mudança para um ecossistema de força de trabalho exige uma abordagem integrada para gerenciar trabalhadores internos e externos. Essa mudança pode ser complicada. Para muitas empresas, assumir a responsabilidade pela força de trabalho contingente significa gerenciar os riscos e os custos dos trabalhadores externos sem ver os benefícios do aumento da produtividade.

  • Quando a força de trabalho deixa de ser centrada principalmente no funcionário e passa a abranger uma comunidade diversificada que ultrapassa os limites de uma organização, os principais processos de talento devem evoluir. A maioria desses processos está em vigor há gerações e foi projetada e refinada para oferecer suporte a uma abordagem tradicional de ciclo de vida do funcionário. Mudar para uma abordagem de ecossistema de força de trabalho exige uma mudança nas práticas, incluindo ajustes nas filosofias, sistemas e processos subjacentes.

  • Os esforços de aprendizado e desenvolvimento devem apoiar habilidades e competências estratégicas.

Conclusão

  • A gestão eficaz de uma força de trabalho que compreende atores internos e externos de forma alinhada com a estratégia de uma organização e consistente com seus valores é uma necessidade comercial crítica. No entanto, as práticas de gerenciamento herdadas geralmente permanecem centradas em uma visão da força de trabalho cada vez mais desatualizada e focada no funcionário. Os executivos enfrentam escolhas importantes sobre como gerenciar sua força de trabalho. Eles podem continuar gerenciando funcionários, trabalhadores externos, complementadores e outros por meio de sistemas diferentes, muitas vezes paralelos, ou podem desenvolver uma abordagem de força de trabalho nova e mais holística que abranja os limites organizacionais e diferentes tipos de trabalhadores e colaboradores. A reformulação de uma abordagem centrada no funcionário para uma abordagem de ecossistema de força de trabalho pode gerar um valor estratégico significativo.

[1] Advogado (OAB/RS 83.859). Mestre em Direito (Unisinos). Membro da CSI (OAB/RS). Autor dos livros “Manual de Direito Desportivo” (EDIPRO, 2014), “Bacamarte” (Giostri, 2016), Francês Jurídico (Jano, 2022) e A Solidão Disciplinada (Thoth, 2023). É coautor de outros trabalhos jurídicos. Contato: [email protected].

Leia também...

Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

L’art est l’imitation de la nature

Au lever des temps, les sages répétaient : “L’art est l’imitation de la nature.” Platon, dans sa majestueuse sagesse, proclamait cette vérité éternelle, tissant le

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 7

Árvore: família, árvore genealógica Cesárea: imperial (os imperadores da Alemanha, que se chamavam de Césares). No ocidente da Europa otitulo de imperador romano, extinto com

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 2

Memórias gloriosas: Sinédoque: tipo especial de metonímia baseada na relação quantitativa entre o significado original da palavra us. e o conteúdo ou referente mentado; os

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 1

As armas e os barões: “Hendiadis”: uma forma latinizada da frase grega ἓν διὰ δυοῖν ( hèn dià duoîn ) ‘um a dois’. Figura (de

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Linguagem e realidade

Cesar Augusto Cavazzola Junior A harmonia é um prazer aos sentidos. Sobre a pele, o veludo ou a faca de corte? No paladar, o saboroso

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Relativismo Moral e Linguagem

Hoje em dia, muitas pessoas promovem a causa comunista sem perceber, usando relativismo moral e manipulação da linguagem. As ideias são adaptadas para manter a

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 5

Fúria: voz arrebatadora Peito acende: incita o ânimo Ao gesto: ao rosto. Faz o sangue refluir às faces, avermelhando-as Que: para que Agreste: campestre Avena:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

A oração e seus elementos

Cesar Augusto Cavazzola Junior Imagine-se sendo acordado no meio da noite pelo seu vizinho, aos berros: – Fogo! Ou mesmo seu professor interrompendo a conversa

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Café com a morte

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu:     Morte, minha amiga           Companhia a confessar           A história de uma vida           Sem ousar me lastimar. Morte:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O mágico

De Cesar Augusto Cavazzola Junior No calor abrasador da capital, em pleno pico de verão, formava-se um tumulto bem em frente à Praça da Catedral

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Para quem se mete a escrever

Cesar Augusto Cavazzola Junior Como disse Eugène Ionesco: “Devemos escrever para nós mesmos. É assim que poderemos chegar aos outros.” Não são raros os sujeitos

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 3

Cessem (de ser cantadas) as navegações: Figura de linguagem: Zeugma. Subentende-se o verbo do segundo membro do período. Troiano: referência a Eneias. Figura de linguagem:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Educação Liberal 

Palestra de Olavo de Carvalho Rio de Janeiro, 18 de Outubro de 2001 Transcrição: Fernando Antônio de Araújo Carneiro Revisão: Patrícia Carlos de Andrade Agradeço

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Os desafios de escrever um livro

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu retomei a escrita deste trabalho (foto), que leva o título provisório de “Como nos tornamos homens”. Comecei a compô-lo ainda

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Ressignificando símbolos

Cesar Augusto Cavazzola Junior O homem é um ser que está intimamente ligado com símbolos e aquilo que eles representam. A sociedade atual, diante do

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Quanto vale um abraço?

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu gosto do sistema capitalista. O capitalismo permite que nosso trabalho se especialize. A long, long time ago, quando alguém produzia

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O “projeto moderno”

Cesar Augusto Cavazzola Junior O século XV é marco da Revolução Comercial, período marcado pelas grandes navegações, que uniram o “velho” e o “novo” mundo,

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Somos realmente modernos?

Cesar Augusto Cavazzola Junior O que deveria estar facilitando as nossas vidas pode estar, no fundo, nos distraindo Em estudo divulgado pela revista Science, cujo

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Que é o direito?

Que é o direito? Olavo de Carvalho Seminário de Filosofia, 22 de setembro de 1998. Se o poder, como se viu na Primeira Aula, é possibilidade

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Para quem deseja escrever

A seguir, vou postar uma lista de livros organizada por João Felipe, publicada no site “Ofício Literário”, sobre técnica literária e escrita. A lista está

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O Latim não é uma língua

A seguir, disponibilizo uma breve transcrição da palestra do prof. Rafael Falcón “O Latim não é uma língua”, proferida no Congresso de Educação Católica 2018.

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Latim, afinal, para quê?

*Cesar Augusto Cavazzola Junior Com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou

Ler mais »