O “projeto moderno”

Cesar Augusto Cavazzola Junior

O século XV é marco da Revolução Comercial, período marcado pelas grandes navegações, que uniram o “velho” e o “novo” mundo, pelo desenvolvimento das cidades, que permitiram aprimorar os mecanismos de troca e a especialização do trabalho, pela formação dos primeiros Estados Modernos, centrais e monárquicos. Representou a transição de uma economia mundial estagnada, localizada em pequenos centros, em grande parte de subsistência, para uma relação entre as localidades em escala continental e global, fruto dos descobrimentos ultramarinos, pelo progresso das atividades bancárias e, sobretudo, pelo comércio.

Nesse contexto, foi o trabalho de alguns intelectuais que influenciaram na metodologia das ciências, estabelecendo a autonomia da razão, do que ficou conhecido como Racionalismo, sobretudo de quatro grandes pensadores da humanidade: Francis Bacon, Renè Descartes, John Locke e Isaac Newton. Queriam, basicamente, o avanço do saber, duvidando do conhecimento recebido no passado, marcado pela lógica escolástica. Tal período marcou o início do Modernismo, projeto empreendido que influenciou o desenvolvimento de áreas como a filosofia, as ciências, a cultura, como também as sociedades ocidentais.

O projeto moderno foi impulsionado com a Revolução Industrial, no final do século XVIII, período marcado pelo desenvolvimento do capitalismo econômico. Sabemos que o nascimento da fábrica especializou o trabalho humano, criando também segmentos nos demais campos laborais. O trabalho do cientista, do estudioso e do pesquisador foi essencial para a consolidação dos ideais modernistas.

As promessas nascidas com a modernidade se convertem em realizações materiais inegáveis. O mito do progresso, trazido à humanidade pelos modernistas, enfrenta um momento de crise, sobretudo pelo fato de, consensualmente, acreditar que o desenvolvimento tecnológico nos permitiria melhorar a qualidade de vida das pessoas, alcançar o bem-estar e a felicidade.

A modernidade representou uma exaltação das conquistas da ciência e das suas possibilidades ilimitadas, na qual a razão reinava no mundo, criando condições para a paz, a equidade e a justiça. Para Sébastien Charles,

A modernidade não apenas conseguiu concretizar os ideais das Luzes que objetivava alcançar, mas também, ao invés de avalizar um trabalho de real libertação, deu lugar a um empreendimento de verdadeira subjugação, burocrática e disciplinar, exercendo-se igualmente sobre os corpos e os espíritos.[1]

De qualquer forma, tais apontamentos podem ser questionados, pois há por de trás disso uma sociedade que tolera o convívio com a degradação humana, com a violência e outros males sociais. Geralmente, costuma-se “medir” tais passos pela quantificação de índices econômicos, mas no geral esses índices estão dissociados de índices de desenvolvimento humano. O Brasil, por exemplo, alavancou o crescimento da classe média, mas isso não implicou na redução das desigualdades sociais. O progresso, consequentemente, deve ser lido e medido não mais por critérios materiais e econômicos simplesmente, mas por outros fatores ligados à realização da dignidade humana, tais como saúde, educação, moradia, bem-estar.

A produtividade do trabalho proporcionou o aprimoramento da tecnologia, para que esta possibilitasse uma série de vantagens aos homens. As condições tecnológicas, que deveriam proporcionar tranquilidade, criar tempo e facilidades, podem ter feito surtir, assim, um efeito contrário ao que se propunha.


[1] CHARLES, Sébastien. O individualismo paradoxal: introdução ao pensamento de Gilles Lipovetsky. In: LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vivela. São Paulo: Barcarolla, 2004. p. 16.

Leia também...

Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

L’art est l’imitation de la nature

Au lever des temps, les sages répétaient : “L’art est l’imitation de la nature.” Platon, dans sa majestueuse sagesse, proclamait cette vérité éternelle, tissant le

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 7

Árvore: família, árvore genealógica Cesárea: imperial (os imperadores da Alemanha, que se chamavam de Césares). No ocidente da Europa otitulo de imperador romano, extinto com

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 2

Memórias gloriosas: Sinédoque: tipo especial de metonímia baseada na relação quantitativa entre o significado original da palavra us. e o conteúdo ou referente mentado; os

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, I, 1

As armas e os barões: “Hendiadis”: uma forma latinizada da frase grega ἓν διὰ δυοῖν ( hèn dià duoîn ) ‘um a dois’. Figura (de

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Linguagem e realidade

Cesar Augusto Cavazzola Junior A harmonia é um prazer aos sentidos. Sobre a pele, o veludo ou a faca de corte? No paladar, o saboroso

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Relativismo Moral e Linguagem

Hoje em dia, muitas pessoas promovem a causa comunista sem perceber, usando relativismo moral e manipulação da linguagem. As ideias são adaptadas para manter a

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 5

Fúria: voz arrebatadora Peito acende: incita o ânimo Ao gesto: ao rosto. Faz o sangue refluir às faces, avermelhando-as Que: para que Agreste: campestre Avena:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

A oração e seus elementos

Cesar Augusto Cavazzola Junior Imagine-se sendo acordado no meio da noite pelo seu vizinho, aos berros: – Fogo! Ou mesmo seu professor interrompendo a conversa

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Café com a morte

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu:     Morte, minha amiga           Companhia a confessar           A história de uma vida           Sem ousar me lastimar. Morte:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O mágico

De Cesar Augusto Cavazzola Junior No calor abrasador da capital, em pleno pico de verão, formava-se um tumulto bem em frente à Praça da Catedral

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Para quem se mete a escrever

Cesar Augusto Cavazzola Junior Como disse Eugène Ionesco: “Devemos escrever para nós mesmos. É assim que poderemos chegar aos outros.” Não são raros os sujeitos

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Letramento: Lusíadas, Canto I, 3

Cessem (de ser cantadas) as navegações: Figura de linguagem: Zeugma. Subentende-se o verbo do segundo membro do período. Troiano: referência a Eneias. Figura de linguagem:

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Educação Liberal 

Palestra de Olavo de Carvalho Rio de Janeiro, 18 de Outubro de 2001 Transcrição: Fernando Antônio de Araújo Carneiro Revisão: Patrícia Carlos de Andrade Agradeço

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Os desafios de escrever um livro

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu retomei a escrita deste trabalho (foto), que leva o título provisório de “Como nos tornamos homens”. Comecei a compô-lo ainda

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Ressignificando símbolos

Cesar Augusto Cavazzola Junior O homem é um ser que está intimamente ligado com símbolos e aquilo que eles representam. A sociedade atual, diante do

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Quanto vale um abraço?

Cesar Augusto Cavazzola Junior Eu gosto do sistema capitalista. O capitalismo permite que nosso trabalho se especialize. A long, long time ago, quando alguém produzia

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Somos realmente modernos?

Cesar Augusto Cavazzola Junior O que deveria estar facilitando as nossas vidas pode estar, no fundo, nos distraindo Em estudo divulgado pela revista Science, cujo

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Que é o direito?

Que é o direito? Olavo de Carvalho Seminário de Filosofia, 22 de setembro de 1998. Se o poder, como se viu na Primeira Aula, é possibilidade

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Para quem deseja escrever

A seguir, vou postar uma lista de livros organizada por João Felipe, publicada no site “Ofício Literário”, sobre técnica literária e escrita. A lista está

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

O Latim não é uma língua

A seguir, disponibilizo uma breve transcrição da palestra do prof. Rafael Falcón “O Latim não é uma língua”, proferida no Congresso de Educação Católica 2018.

Ler mais »
Blog
Cesar Augusto Cavazzola Junior

Latim, afinal, para quê?

*Cesar Augusto Cavazzola Junior Com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou

Ler mais »